Líder comunista prevê queda dos governos de esquerda na américa latina, em caso de Dilma sofrer impeachment

O movimento ofensiva em favor de uma moção de censura (“impeachment”) contra a presidente Dilma Rousseff no Congresso Nacional pelos partidos da oposição levou aos partidos da coalizão de governo se mobilizar contra

O movimento ofensiva em favor de uma moção de censura (“impeachment”) contra a presidente Dilma Rousseff no Congresso Nacional pelos partidos da oposição levou aos partidos da coalizão de governo se mobilizar contra a parte de trás o “golpe” para a política brasileira.

luciana_sorrindo_jpg26853832

Em declarações à Spuntik Novosti, o presidente do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e vice-encarregado de entregar a carta de apoio à presidente Dilma Rousseff no National, Congresso Luciana Santos, advertiu que “o direito do Brasil e outros países latino América está usando os efeitos da crise econômica global para lançar uma ofensiva sem precedentes no caso do Brasil levaram a uma grave crise política “.

Em sua opinião, esses setores “não aceitaram o resultado legítimo das eleições presidenciais e os 54 milhões de votos que ele recebeu a presidente Dilma Rousseff”, acrescentando que “o argumento para usar o ‘impeachment contra o presidente é totalmente inconstitucional e uma tentativa bater, porque, ao contrário do que aconteceu com o presidente Collor em 1992, não há qualquer acusação legal contra ele “.

Além disso, o líder comunista advertiu que “se o triunfo golpe no Brasil e Rousseff abandonar escritório, algo catastrófico efeito dominó poderia ocorrer em outros países latino-americanos lutando para manter seus projetos sociais através dos governos esquerda “, referindo-se aos governos da Venezuela, Bolívia e Equador, assim como a importância do petróleo para compreender o assédio sofreriam ambos os países lembrou.

“Um dos principais projetos da oposição, o PLS 13/2015, destinado a acabar com o regime de exploração de petróleo do pré-sal ea obrigação de participar Petrobras 30 por cento de todas as concessões na região”, explicou,

Em seguida, associar este interesse com o interesse de grandes companhias de petróleo norte-americanos (Exxon Mobil e Chevron) de livre acesso a reservas de pelo menos 176.000 milhões de barris de petróleo recuperável e gás.

De acordo com Santos, “não há provas suficientes de que a NSA americana espionar a presidente Dilma Rousseff teve como um dos seus objectivos para a obtenção de informações na área de petróleo no Brasil”.

Portanto, o deputada propôs “a necessidade de criar uma Frente Amplio que inclua todos os partidos aliados e movimentos sociais para prevenir estas estratégias contrárias ao popular vai tomar forma”.

Com um tom firme, o líder do PCdoB, um dos seis partidos que compõem o governo brasileiro pediu a todos os setores deixou o país para participar na manifestação do dia 03 de outubro: “O próximo 03 de outubro, a data de aniversário da eleição de Dilma Rousseff e da criação da Petrobras, iremos às ruas para mostrar que as tentativas não-democráticos no Brasil não ocorrerá sem uma forte reação do povo brasileiro, de acordo com o tamanho da agressão “.

a parte de trás o “golpe” para a política brasileira.

Em declarações à Spuntik Novosti, o presidente do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e vice-encarregado de entregar a carta de apoio à presidente Dilma Rousseff no National, Congresso Luciana Santos, advertiu que “o direito do Brasil e outros países latino América está usando os efeitos da crise econômica global para lançar uma ofensiva sem precedentes no caso do Brasil levaram a uma grave crise política “.

Em sua opinião, esses setores “não aceitaram o resultado legítimo das eleições presidenciais e os 54 milhões de votos que ele recebeu a presidente Dilma Rousseff”, acrescentando que “o argumento para usar o ‘impeachment contra o presidente é totalmente inconstitucional e uma tentativa bater, porque, ao contrário do que aconteceu com o presidente Collor em 1992, não há qualquer acusação legal contra ele “.

Além disso, o líder comunista advertiu que “se o triunfo golpe no Brasil e Rousseff abandonar escritório, algo catastrófico efeito dominó poderia ocorrer em outros países latino-americanos lutando para manter seus projetos sociais através dos governos esquerda “, referindo-se aos governos da Venezuela, Bolívia e Equador, assim como a importância do petróleo para compreender o assédio sofreriam ambos os países lembrou.

“Um dos principais projetos da oposição, o PLS 13/2015, destinado a acabar com o regime de exploração de petróleo do pré-sal ea obrigação de participar Petrobras 30 por cento de todas as concessões na região”, explicou, Em seguida, associar este interesse com o interesse de grandes companhias de petróleo norte-americanos (Exxon Mobil e Chevron) de livre acesso a reservas de pelo menos 176.000 milhões de barris de petróleo recuperável e gás.

De acordo com Santos, “não há provas suficientes de que a NSA americana espionar a presidente Dilma Rousseff teve como um dos seus objectivos para a obtenção de informações na área de petróleo no Brasil”.

Portanto, o deputada propôs “a necessidade de criar uma Frente Amplio que inclua todos os partidos aliados e movimentos sociais para prevenir estas estratégias contrárias ao popular vai tomar forma”.

Com um tom firme, o líder do PCdoB, um dos seis partidos que compõem o governo brasileiro pediu a todos os setores deixou o país para participar na manifestação do dia 03 de outubro: “O próximo 03 de outubro, a data de aniversário da eleição de Dilma Rousseff e da criação da Petrobras, iremos às ruas para mostrar que as tentativas não-democráticos no Brasil não ocorrerá sem uma forte reação do povo brasileiro, de acordo com o tamanho da agressão “.

via:http://mundo.sputniknews.com/americalatina/20150918/1051577054.html

Please follow and like us:

Você pode gostar também

Deixe uma resposta