Brzezinski: “A ‘resistência populista’ ameaça a transição à Nova Ordem Mundial”

Durante
um discurso recente na Polônia, o ex-assessor de Segurança Nacional dos EUA,
Zbigniew Brzezinski alertou a seus elitistas compaheiros que em todo o mundo um
movimento de “resistência” ao “controle externo” impulsionado pelo “ativismo
populista” está ameaçando a transição à uma Nova Ordem Mundial.
Chamando
a ideia de que o século 21 é o século americano uma “ilusão compartilhada”,
Brzezinski disse que a dominação estadunidense já não era possível devido a uma
aceleração da mudança social impulsionada pela “comunicação instantânea das
massas com meios como o rádio, a televisão e Internet“, que acumulativamente
estimularam “um despertar universal da consciência política das massas“.

O
ex-assessor de Segurança Nacional acrescentou que esta “subida do ativismo
populista mundial está resultando prejudicial para a dominação externa como a
que prevaleceu na época do colonialismo e o imperialismo.”

Brzezinski
chegou à conclusão de que “a resistência populista persistente dos muito
motivados políticamente despertos assim como os povos históricamente reticentes
ao controle externo demostraram ser cada vez mais difíceis de suprimir.”

Embora
Brzezinski tenha pronunciado seus comentários num tom nêutro, o contexto do
entorno em que os disse unido a suas declarações prévias, indicam que isto não
era uma celebração da “resistência populista”, senão um lamento pelo impacto
que está tendo na classe de “controle externo” que Brzezinski defende repetidamente.
As
declarações foram feitas num evento para o Foro Europeu para as novas ideias
(EFNI), uma organização que promove a transformação da União Europeia num
superestado antidemocrático federal, o mesmo tipo burocrático de “controle
externo”, que sublinhou Brzezinski em sua conferência, está em perigo.
Neste
contexto, há que entender que o ponto de Brzezinski de que a “resistência
populista” está sendo um grande obstáculo para a imposição de uma Nova Ordem
Mundial é mais uma advertência do que uma aclamação.
Tenha
em conta também o que Brzezinski escreveu em seu livro “Entre duas idades: O
papel dos Estados Unidos na era tecnotrônica”, nele defendia o controle da
população por parte de uma classe política de elite através da manipulação
tecnotrônica.
“A
era tecnotrônica envolve o surgimento gradual de uma sociedade mais controlada.
Tal sociedade seria dominada por uma elite sem as restrições dos valores
tradicionais. Em breve será possível assegurar a vigilância quase contínua
sobre cada cidadão e manter ao dia os expedientes completos que contêm
inclusive a informação mais pessoal sobre o cidadão. Estes arquivos estarão
sujeitos à recuperação instantânea das autoridades”, escreveu Brzezinski.
“Na
sociedade tecnotrônica a tendência parece ser à soma do apoio individual de
milhões de cidadãos não coordenados, fácilmente ao alcance de personalidades
magnéticas e atrativas que exploram as últimas técnicas de comunicação para
manipular as emoções e controlar a razão”, escreveu no mesmo livro.
A
repentina preocupação de Brzezinski pelo impacto de uma população global
políticamente desperta não nasce em absoluto de que de forma ele se identifique
com sua causa.

Brzezinski
é um dos maiores elitistas, o fundador da poderosa Comissão Trilateral, um
luminário do Council on Foreign Relations e assíduo assistente nas reuniões do
Grupo Bilderberg. Ele foi uma vez descrito pelo presidente Barack Obama como
“um de nossos pensadores mais destacados”.

Esta
de nenhuma forma é a primeira vez que Brzezinski se lamentou da crescente
oposição populista à dominação externa por parte de uma pequena elite.
Durante
um discurso no Council on Foreign Relations de 2010 em Montreal, Brzezinski
alertou a seus globalistas companheiros que um “despertar político global”, em
combinação com as lutas internas entre a elite, estava ameaçando a transição à
um Governo mundial.
Fonte:
infowars, visto em La Próxima Guerra via http://caminhoalternativo.wordpress.com
Please follow and like us:

Você pode gostar também

Deixe uma resposta