Mais uma evidência do Haarp: terremoto de 2011 no Japão ” AFETOU A IONOSFERA “, diz Nasa

O
violento terremoto seguido por tsunami que atingiu o norte do Japão em março de
2011 afetou também os céus, perturbando os elétrons no topo da atmosfera,
segundo a Nasa.
A
onda de energia do fenômeno sísmico alcançou a ionosfera, camada mais alta e
fina da atmosfera, entre 80 e 805 quilômetros acima da superfície terrestre.


É
nessa camada que a radiação ultravioleta solar decompõe as moléculas e cria uma
névoa de elétrons e íons.

Em
imagens divulgadas na sexta-feira, a Nasa mostrou como as perturbações terrenas
do terremoto e do tsunami ecoaram no movimento de elétrons muito distantes.


Esse
movimento foi monitorado por meio dos sinais de GPS trocados entre satélites e
receptores em terra.

Cientistas
já haviam visto esse fenômeno antes, em tsunamis ocorridos em Samoa (2009) e
Chile (2010).
O episódio japonês, no entanto, ocorreu em uma região mais
monitorada por uma densa rede de receptores de GPS, segundo nota da Nasa.
O
mesmo tsunami causou um grave acidente nuclear na usina de Fukushima.
Fonte: IG
Análise do Blog:
Essa
é mais uma prova evidente da atuação do Haarp por trás do fatídico  terremoto 
seguido de tsunami no Japão em 2011, o Haarp o campo de atuação é na ionosfera
através da liberação de grandes cargas eletromagnéticas sobre a ionosfera,
podendo ocasionar terremotos. Esta ai mais um evidência clara e obvia.
O que é a Haarp?
H.A.A.R.P. (High-frequency Active Auroral Research Project) — Um conjunto de antenas localizado no Alasca que projeta ondas de rádio de alta frequência e supercarregadas nas camadas mais altas da atmosfera terrestre… Esses feixes de ondas são muito poderosos e que podem ser direcionados a qualquer parte e fazer os seres humanos apresentar disfunções cerebrais tão completas que eles ficam incapacitados para participar em uma batalha ou se defender. Esses feixes de ondas são usados para alterar os padrões do clima globalmente e também podem causar terremotos.”

Please follow and like us:

Você pode gostar também

Deixe uma resposta