Fragmento de OVNI gigante cai dos céus na Sibéria

Os
Media russos estão a reportar a queda de um fragmento de OVNI gigante perto
de uma aldeia remota na Sibéria.
O
objecto, em forma de «U», está a ser inspeccionado por especialistas russos,
após ter sido recolhido pela calada da noite da posse dos aldeões que o
descobriram.

O
fragmento caído dos céus despenhou-se numa floresta. Os locais fizeram a
descoberta no domingo e usaram um veículo para o arrastar do mato até à aldeia
de Otradnesnky, na Sibéria.

Os
inspectores locais examinaram o fragmento antes de alertarem as autoridades da
capital Moscovo, segundo o jornal The Telegraph.

Depois
da recolha discreta do objecto com cerca de 200 quilos, a polícia está a manter
guarda apertada, sob ordens de autoridades não nomeadas.


Ainda
não foi confirmada a origem do objecto, contudo, já foi anunciado que não se
trata de um foguetão ou míssil, nem está o objecto associado a nenhuma
tecnologia espacial da Terra.

O
objecto encontrado não está relacionado com tecnologia espacial, afirmou a
agência espacial russa, Roscosmos. Uma conclusão final poderá ser apontada
após uma análise detalhada dos especialistas, acrescentou.

Os
peritos também já procederam a análises para determinar se o objecto representa
perigo público.
Medimos
o nível de radiação dentro do objecto e perto do mesmo. Não encontramos radiação», sublinhou Yuri Bornyakov, que lidera o departamento de Serviço de
Resgate do distrito de Kuybyshevsky, na região de Novosibirsk.

Parte
do fragmento é feito de titânio ultra forte», referiu Valery Vasiliev, que
encabeça o departamento de Defesa Civil e Emergência de Kuybyshevsky.Especulações
de que se trataria de um míssil ou foguete do Cazaquistão foram negadas.

Podemos
ver o interior, está aberto, não há perigo aqui. Pediram-nos que o trouxéssemos
e o armazenássemos (…). E agora vamos esperar até que venham e o levem, se
precisarem», afirmou o porta-voz da polícia local, Sergei Sulein.
Veja
o vídeo:

Please follow and like us:

Você pode gostar também

Deixe uma resposta