Mais uma hoax dos globalistas: Aumento da população causará falta de comida e combustível

O mundo está ficando sem tempo para garantir que haja alimentos, água
e energia para atender a demanda de uma população em rápido crescimento
e evitar que 3 bilhões de pessoas sejam levadas à pobreza, advertiu um
relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) na segunda-feira.

Enquanto a população mundial parece preparada
para crescer dos 7 bilhões de hoje para quase 9 bilhões até 2040 e o
número de consumidores de classe média aumentar em 3 bilhões nos
próximos 20 anos, a demanda por recursos crescerá exponencialmente.
Mesmo para 2030, o mundo precisará de ao menos
50 por cento a mais de alimentos, 45 por cento a mais de energia e 30
por cento a mais de água, de acordo com as estimativas da ONU, em uma
época em que o ambiente em modificação cria novos limites ao
abastecimento.
Se o mundo fracassar em lidar com esses problemas, o risco é condenar 3 bilhões de pessoas à pobreza, afirmou o relatório.
Os esforços rumo ao desenvolvimento sustentável
não são nem fortes nem profundos o suficiente e, além disso, falta
vontade política, disse um painel da ONU voltado à sustentabilidade
global.
“O atual modelo de desenvolvimento global é
insustentável. Para alcançar a sustentabilidade, é necessária uma
transformação na economia global”, diz o relatório.
“Fazer remendos nas margens não será suficiente.
A atual crise econômica global oferece uma oportunidade para reformas
significativas.”
Embora o número de pessoas vivendo na pobreza
absoluta tenha caído dos 46 por cento em 1990 para 27 por cento da
população mundial e a economia global tenha crescido 75 por cento desde
1992, as mudanças no estilo de vida e nos hábitos do consumidor
colocaram uma pressão crescente sobre os recursos naturais.
Há mais 20 milhões de pessoas desnutridas agora
do que no ano 2000; 5,2 milhões de hectares de floresta são perdidos
anualmente (uma área do tamanho da Costa Rica); 85 por cento de todos os
estoques de pescaria estão super-explorados ou foram esgotados; e as
emissões de dióxido de carbono subiram 38 por cento entre 1990 e 2009, o
que aumenta o risco de elevação no nível das marés e de mais episódios
de clima extremo.
O painel, que fez 56 recomendações para que o
desenvolvimento sustentável seja incluído na política econômica o mais
rápido possível, disse que é necessária uma “nova política econômica”.
“Vamos usar a próxima cúpula do Rio+20 para dar
início a essa transição global rumo a um modelo de crescimento
sustentável para o século 21 do qual o mundo precisa tanto”, disse
Connie Hedegaard, a comissária da União Europeia para o clima, em
resposta ao relatório, referindo-se a uma cúpula da ONU sobre
desenvolvimento sustentável em junho no Brasil.
AÇÃO
Entre as recomendações, o painel pede que os
governos concordem com uma série de metas de desenvolvimento sustentável
que complementariam as oito Metas de Desenvolvimento do Milênio até
2015 e criariam uma estrutura para ação depois de 2015.
Eles devem trabalhar com organizações
internacionais para criar uma “revolução perene”, que ao menos duplique a
produtividade ao mesmo tempo em que reduz o uso de recursos e evite
mais perdas à biodiversidade, afirmou o relatório.
Os ecossistemas aquíferos e marinhos deverão ser
administrados de maneira mais eficiente e deve haver acesso universal à
energia sustentável até 2030.
Para tornar a economia mais sustentável, a
precificação do carbono e dos recursos naturais deve ser estabelecida
por meio de taxação, regulação ou esquemas de comercialização das
emissões até 2020 e os subsídios ao combustível fóssil também devem
acabar aos poucos até lá.
Os sistemas fiscais e de crédito dos países
devem ser reformados para fornecer incentivos no longo prazo às práticas
sustentáveis, assim como desincentivar as insustentáveis.
Os fundos de pensão públicos e de riqueza
soberana, assim como os bancos de desenvolvimento e as agências de
crédito para a exportação, devem adotar critérios de desenvolvimento
sustentável a suas decisões de investimento, e as agências de controle
do governo ou dos mercados de ações devem revisar as regulações para
estimular o seu uso.
Os governos e cientistas também devem fortalecer
a relação entre a política e a ciência ao examinar com regularidade a
ciência por trás dos limites ambientais e a ONU deve considerar a
possibilidade de nomear um conselheiro científico chefe ou um conselho
para assessorar a organização, disse o relatório.

Comentário Semeando
 
Os globalistas da Nova ordem Mundial estão alegando através dessa matéria que você acabou de ler acima, que se faz necessário o uso da redução populacional, uma vês que “não há alimentos suficientes para atender toda a demando dos 7 bilhões de habitantes e nem Petróleo para manter a indústria dos bens de consumo.
 
Como assim não há alimentos? Uma matéria na revista veja refuta esta informação perfeitamente, a produção de alimentos é  suficiente para atender toda demanda mundial dos 7 bilhões de habitantes. [Clique aqui e leia a matéria]
 

O Petróleo acabar, nunca! O mundo existe há muito tempo, e ninguém percebeu que o petróleo já deveria estar esgotado, mediante o contexto da nossa era moderna, que utiliza o petróleo em quase todo processo de fabricação de bens de consumo e de uso. Como também, combustível para automóveis.

Já pararam para pensar que o Petróleo é fonte renovável e inesgotável?
 

Mesmo que supostamente o Petróleo estaria acabado, existe outras fontes de combustíveis sustentáveis como o ethanol, e recentemente pesquisadores e cientistas estão estudando uma forma de produzir petróleo  a partir da bactéria E.coli, os estudos estão bem avançados. [Clique aqui e leia a matéria]

A meu ver, são facetas da elite fascista dos senhores das trevas, para controlar e diminuir drasticamente a população mundial para 500 milhões, conforme os registros nas pedras da Geórgia, ou seja, para se equiparar a “atual produção de alimentos” faz necessária a redução populacional, e a partir em diante a produção de alimentos mundial será rigorosamente controlada e submetida a regras mundiais, vai desde o processo de produção, venda e consumo próprio, conforme as regras do Codex Alimentarius. [Clique aqui e leia  mais]
Please follow and like us:

Você pode gostar também

6 thoughts on “Mais uma hoax dos globalistas: Aumento da população causará falta de comida e combustível”

    1. Tudo converge para termos leis mais severas no que tange ao uso e acesso da Internet, a internet como vemos está com seus dias contados.
      Amigo sempre é bem vindo ao comentar aqui no blog, nos próximos comentários procure escrevê-los dentro dos assuntos correspondestes, assim para organizarmos mlhor o nosso blog.
      Abraços

  1. ok! Apenas quiz passar a mensagem pois axei mto importante e tb quiz compartilhar com vcs e quem sabe postar a notícia p q outros possam a ver tb. desculpe qualquer coisa irmão.Abraços

  2. Conversa fiada!!o Problema de falta de comida está relacionado as intempéries climáticas, aqui no sul por ex: já tivemos perda de 40 a 60 por cento das lavouras por causa da seca que dura meses,as pancadas de chuvas eventuais que caem de maneira bem isoladas na região não são o suficiente se quer pra reavivar as plantações resultado disso está lá no balcão do supermercado.

Deixe uma resposta